sexta-feira, dezembro 17, 2010

A Bonequinha Parte 1

Olá queridos leitores! Eu estou muito feliz com o carinho de todos vocês. Muito obrigado pelo imenso apoio que dão ao blog. A cada postagem, comentários, recados, emails que mandam, fico muito agradecida por tudo.
Bom, há uns meses atrás, sonhei com uma história e tive vontade de escrevê-la aqui . A história será dividida em partes e espero que vocês acompanhem e gostem.


A Bonequinha


Ela era tão singela e branquela. Tão alva que dava a impressão de que tinha nascido da neve.
Quase não tinha nariz de tão pequeno que era, e seus cabelos passando dos ombros eram tão negros que brilhavam. Vestia sempre uma roupinha amarela, mas ela não era apenas ela. Ninguém sabia se era só uma menininha. Era uma bonequinha. E era assim que todos a chamavam.
Pequenina a Bonequinha, parecia ter vindo de um mundo mágico, e acho que já vivia em um. Seus amigos um tanto diferentes, tinha cada um sua especialidade. Tinha um menino com um guarda chuva preto que voava, um homem forte e um rapaz engraçado que ria a qualquer circunstâncias. Todos viviam numa cidadezinha pequena que parecia uma vila. As casinhas pareciam ser de boneca e todos os moradores adoravam cultivar plantas e lindas flores. No alto da cidade, havia uma enorme montanha e dava pra ver o mar do outro lado. Só se chegava no topo da montanha por uma passagem bem estreita e a Bonequinha e seus amigos sempre iam para lá e ficavam a observar o mar falar. O rapaz engraçado até se atrevia a dizer que entendia o que o mar dizia e ria a cada rolar das ondas.
- Vamos bonequinha! Vamos! Vamos para a montanha. O dia está tão lindo hoje! Disse seus amigos.
E lá foram eles. Rindo, brincando e ela com os cabelos brilhando com o toque dos raios do sol cantarolava uma linda canção.
Tudo indo bem, o sol amarelinho no topo do céu, as nuvens bailando em metamorfoses pintando a parte azul do céu com coelhos, dragões, pássaros, e até a bonequinha se viu em uma das nuvens que ficou parecida com ela.
- Algo estranho está acontecendo! Disse ela olhando pra cima.
- O quê? Falou o menino que tinha um guarda chuva preto.
- Olhe! A nuvens em forma de coelhinhos estão fugindo saltitantes! E veja só as nuvens em forma de dragões! Parecem voar com medo de algo!
Todos olharam pra cima e ficaram aterrorizados! Menos o homem engraçado que gargalhava com tudo aquilo.
O céu começou a escurecer e o mar começou a recuar. Ele dizia algo e parecia que todos entenderam o que ele quis dizer.
- Corram!
Houve um pequeno terremoto que fez a única passágem da montanha para a vila desabar.
A Bonequinha entrou em desespero quando viu o que estava prestes a acontecer. Não naquele momento, mas sabia que do jeito que o mar recuava, quando voltasse iria inundar tudo. Todos na vila iam morrer e ela nem sabia o que tivera provocado aquilo.
- Vamos morrer! Gritou o homem forte.
- A única passágem que tinha-mos desapareceu!
Naquele instante, não muito preocupado com a situação, o menino com guarda o chuva preto, armou o guarda chuva e pegou nas mãos da Bonequinha. Saiu voando para o outro lado levando-a para a vila onda viviam. Assim ele fez com todos, de um por um. Assim que pousou o ultimo, fechou o guarda chuva e disse:
- Salve Benjadin! Era o que dizia sempre que seu guarda chuva lhe servia para algo, pois Benjadin foi o homem que havia lhe presenteado com ele.
Haviam se livrado de um problema, mas outro viria para todos em questão de dias; talvez três no máximo. O que sabiam é que tinham que avisar a catástrofe que estava para acontecer; e saíram batendo de porta em porta, avisando aos moradores que saíssem de suas casas ás pressas para a outra cidade que não era tão longe dali, mas com certeza não seria atingida pela inundação do mar. Algo estranho aconteceu. Sim, muito mais estranho do que já tinha acontecido. As pessoas não queriam sair dali. Mesmo sabendo que estavam a dias de perder suas vidas.
- O que está acontecendo com todos? Enlouqueceram? Disse a Bonequinha.
Um pássaro veio pousando do céu em direção a ela. Parecia querer lhe dizer algo muito importante.
- Bonequinha! Disse ofegante. Você precisa ir á cidade das coisas perdidas! Lá você terá que achar o livro viajante. Ele poderá dizer a causa e a solução disso tudo.
- Não podemos ir á cidade das coisas perdidas disse o homem engraçado rindo do pássaro.
- Por que não? Falou o home forte.
- Porque lá tudo se perde. E o que está perdido não se acha.
- Mas precisamos ir! Se deixar-mos isso de lado, perderemos a todos. E foram todos.
Saindo da cidade se depararam com guardas que diziam a todos que ninguém podia sair. Nenhum morador da vila poderia ir a nenhuma outra cidade vizinha. Tinham que ficar ali. Mas a Bonequinha e seus amigos precisavam sair e tentar achar uma forma de salvar a todos, mesmo que as pessoas não quisessem isso; o que ela e seus amigos achavam estranho demais. Tiveram que lutar com os guardas para passar pela fronteira. Nessa briga-briga e ai-ai acabaram conseguindo passar por eles e até mesmo um ladrão se aproveitou da situação para fugir. Na verdade a Bonequinha o ajudou, achando que era um bom homem, o que talvez fosse.
Andando na rua da cidade dos ventos a bonequinha e seus amigos avistaram um portal que os levaria para a cidade das coisas perdidas e no topo do portal havia uma frase que dizia "Troca - Troca." Queriam saber o que queria dizer aquilo, mas não hesitaram em passar.

Continua...


8 comentários:

Maaai Clstno disse...

Hi querida!
te dediquei um selinho
pega lá!

http://psordinarygirl.blogspot.com/2010/12/mais-um-selinho-d.html

Parabéns pelo blog!
kissus *(:

Carlos Withe N. Rodrigues Jr. disse...

Bem legal.
Aguardo a continuação aqui!
Parabéns pelo blog!
______________
http://assimounao.blogspot.com/
Lê, comenta, segue, sei lá.
Eu retribuo.

LADY D. A. disse...

É um conto infantil algumas crianças deveriam escutá-la...

Micael araújo Andrade disse...

é um conto bem interessante com uma boa narrativa!
Quero ver a continuação hein!

www.anjoguerreirodeluz.blogspot.com

Arianne Carla disse...

Super e mega curiosa com a continuação. Pelo que já pude notar, surgirá uma critica sobre as pessoas! As mentes tampadas delas - de todas nós para certos assuntos. rs Bem, eu não se será isso, maaas!Amei aqui! E somos do mesmo estado! Pernambuco! Imortal Imortal! Beijos, floor!

Kivia Nascentes disse...

Que coisinha mais leve do mundo. Eu sou assim um pouco, pareço que nasci da neve de tão branca.

você como sempre, adorável.

beijos.

Caa disse...

Perfeito.... continua logo *_*

Anônimo disse...

gente essa música é simplesmente um vácuo no espaço pedante, um equívoco de 1964, george orwel e ciência noética, não que eu esteja supondo, aliás se passa na vida atual, se penso logo existo, então se não existisse como iria poder duvidar, o lobo e o homem, tocante...
minha MÚSICA AFRICANA