quinta-feira, setembro 27, 2012

Resta escrever





Ela acordou e não quis pensar em nada. Pegou o caderno com boa parte das folhas em branco e um lápis. Queria escrever.
Escreveu sobre tudo. 
Escreveu cores pra ver se ficava feliz, escreveu flores e traços que só ela sabia o que era; e quando parava de escrever, voltava de novo pra não ter que pensar.
Estava triste; não sabia o porquê e escrevia, pois não queria descobrir o motivo.
“Se eu parar pra pensar o porquê de estar assim, vou ficar mais triste ainda”, pensou.
Então não pensou mais. Só escreveu. Escreveu por dois dias seguidos. Sua cabeça doía, o lápis já não apontava, as folhas estavam cheias de frases, de textos, desenhos e rabiscos.
Quando não tinha mais folhas para escrever, parou. Respirou fundo e expirou.
Foi então que ouviu uma voz ao longe a chamando. “Vai dar tudo certo”, a voz dizia.
Era familiar, tão familiar que a fez sentir uma coisa diferente. Não estava mais com medo de pensar. Levantou-se para ir em direção da voz que a chamava pra perto, mas antes de sair lembrou-se de algo: “Ainda resta algo para escrever...” pensou.
Pegou a ultima folha de papel e bem no cantinho onde tinha um espaço vazio escreveu.
Escreveu um sorriso.

3 comentários:

Joana Masen disse...

Que lindo texto, adorei!
Também tenho essa vontade as vezes, mas nunca me deixei levar pela escrita... acho que vou tentar.
Bjos!

Marco disse...

bonito esse texto

Natália Barbosa disse...

isso acontece muuuuito comigo!