quarta-feira, dezembro 26, 2012


Sinto falta do seu rosto simpático e do seu sorriso chapado que me trazia alegria, da sua gargalhada e a maneira como chamava o meu nome me fazia sentir o quão boa era sua voz. Seus cabelos brancos, suas mãos enrugadas passeando pelos meus cabelos. Eu amava ouvir suas histórias. Histórias de épocas que eu não vivi, mas que você me fez conhecer. Sinto falta de como você cantava e cantava sem parar; de como tudo era tão belo e tão bom pra você mesmo que não estivesse bem. Sinto falta de como me acalmava quando eu me preocupava com o que viria e de como você sabia o que estava acontecendo comigo mesmo quando eu não contava nada pra você. Sinto falta de como me dizia que tudo ia ficar bem e que eu iria ser muito feliz. Você sem ver, me enxergava melhor do que quem tivesse 400 olhos. Eu adorava desfazer os coque da sua cabeça e deixar seus cabelos longos balançando enquanto eu tentava preparar uma trança. Você nem se importava; no final, enrolava os cabelos de novo esperando pela próxima vez. Suas rugas, suas mãos, os pés inchados, a coluna curva. Sinto falta de tudo em você e até então você continua sendo a pessoa que me faz acreditar que tudo vai ficar bem, quando não está, porque você se foi, mas eu continuo indo pra o seu colo quando fecho os olhos pra lembrar de você.

Um comentário:

Hertinha disse...

Que lindo... doce saudade... são essas lembranças que nos ajudam a superar o medo do tempo...
Pois o tempo é algo que nunca termina. mesmo quando nós passamos, ele permanece... pessoas vão, mas sempre dão um jeitinho de permanecerem em nossas lembranças..mesmo estando tão invisíveis quanto o tempo..