sábado, 20 de abril de 2019

O Lenhador e a Fada

Dia nublado, prevendo uma tempestade e um homem robusto, vestido de roupas sujas de um longo trabalho cortando lenha, estava a fazer o seu trabalho para um senhor que já não o podia fazer. Era de todo rústico, mas de formas extremante agradáveis e atraentes. Era o lenhador mais lindo e cobiçado pelas moças que habitavam naquela cidade. Já havia iludido algumas delas. Outras, o pediam para que fizesse o mesmo com elas, desesperadas por ter um pedaço daquela carne que a elas levava aos delírios. Ele até que era mesmo um homem lindo da cabeça aos pés, mas por dentro, vários desacertos. Nunca ligara para o amor, pois acreditava que o amor enfraquecia o homem e por isso, se esbanjava em apenas viver pelas aventuras que despedaçavam corações. 
Cansado e observado por olhos que acompanhavam o seu suor escorrendo e percorrendo por partes do corpo, sentiu um leve desconforto quando deu uma machadada no pedaço de madeira à sua frente. Sentou para um breve descanso enquanto ouvia os risos secretos que vinham de detrás de um grande tronco há alguns metros de distancia. Já estava acostumado com tudo isso e por isso não fez nada além de esperar o fôlego voltar com mais vigor. Enquanto as forças voltavam, sentiu um pingo bater em se braço. Olhou para cima, e outro pingo vinha em direção ao seu rosto. A chuva sinalizava a chegada. Logo, começaram a cair as gotas de chuva de maneira mais intensa e aí ele se levantou, pegou seu machado e seguiu em direção à floresta para voltar à sua casa. A chuva piorou muito durante os primeiro passos e resolveu pegar um atalho que achava já ter usado alguma vez durante seus 37 anos de vida. Logo, estava perdido. Não reconhecia o espaço e por isso, seguiu em qualquer direção que o seu instinto o levara. Mal sabia o que seu instinto havia preparado para ele. Foi quando a chuva se intensificou, mais do que ele achou que seria possível, que viu de longe, há poucos passos de distância, uma grande árvore; uma das maiores que havia visto em toda sua vida; e percebeu que poderia se amparar nela enquanto aquela tempestade não passava. Se acolheu nela, e encostado em seu grandioso tronco olhava para cima contemplando a beleza da grandeza que envolviam aquela majestosa árvore. Foi quando algo curioso aconteceu. Pareceu ouvir algo vindo de dentro do grande tronco que estava encostado. Encostou o ouvido para ver se ouvia mais claramente e de repente, sentiu algo como que um portal se abrir no grande tronco e ele caiu dentro dele. Estava agora, dentro daquela grande árvore. Quando levantou, percebeu que estava num lugar muito maior do que esperava que aquela árvore poderia conter dentro de si. Não havia tempestade, mas um lindo e brilhante sol que parecia dançar ao som de uma sinfonia feita por passarinhos e por flores. E havia muitas flores! Elas pareciam bailar com o vento que as conduziam para lá e para cá e todos juntos, as flores, os passarinhos e as outras criaturas ali presentes, pareciam fazer uma grande corte para um ser que ele ainda não havia percebido estar no meio de todos. O lenhador estava extasiado, piscando os olhos para ver se acordaria daquele sonho, mas ele não acordou, pois não era um sonho. Olhando todas aquelas criaturas bailando alegremente, percebeu uma criatura diferente no meio de todos. Ela estava vestida de um longo vestido que parecia ser feito folhas. Tinha um cabelo vermelho cobre que se estendia em várias tranças até os joelhos e um buquê de flores no topo da cabeça de onde desciam joaninhas que caminhavam pelos seus braços e as vezes paravam para conversar com aquela criatura belíssima que olhava para elas com bastante intimidade. Ela dançava alegremente, balançando o quadril, as pernas, os braços e ombros e em dado momento, algo ainda mais surpreendente apareceu. Dela surgiram asas que levavam ela para cima e para baixo no ritmo da canção tocada. Era definitivamente, uma fada. O lenhador não conseguiu sentir o chão abaixo de seus pés. Parecia que na medida que ela voava dançando alegre e graciosamente, ele também achou que pudesse estar no ar. Mas, era só uma sensação diante da tamanha estranheza daquele momento. Ele estava tão perplexo diante de tudo, que esqueceu que segurava um pesado machado em sua mão e o soltou ao solo, que caiu provocando um grande barulho. Todos pararam a música e a dança e olharam atentamente para a direção de onde ouviram o estrondo provocado pela queda do machado no solo. Quando viram que havia um homem ali parado a observá-los, começaram a entrar em estado de histeria. Corriam para lá e para cá, gritando ou emitindo sons que deixava claro que para eles, ter um homem ali era algo assustador. A fada nada fazia, além de estar parada olhando atenta para o homem. Diante do desespero das criaturas, ela fez um sinal com as mãos que fez com que toda a agitação parasse. Proferiu algumas palavras para eles que voltaram a fazer a festa, enquanto a linda fada, vinha caminhando na direção do lenhador. Ele estava maravilhado, pois jamais havia visto um ser tão lindo. Já havia se encontrado com muitas mulheres em seu caminho, mas nenhuma delas o teria feito ficar gélido e paralisado diante de tanta graciosidade e de tanto apreço que agora sentia.
- Como você chegou até aqui? Perguntou a linda fada.
Ele estava mudo; não conseguiu dizer uma só palavra ou fazer qualquer expressão senão a de surpresa. Ela pensou que ele não a entendia e para entender com quem estava lidando, se aproximou tão perto que pode sentir sua respiração acelerada e ofegante. Logo, começou a cheirá-lo iniciando pelo rosto e seguindo pelo pescoço e tronco. Os olhos dele seguiam na direção em que ela ia, até que sentiu uma pontada na barriga. Ela, com o indicador, tocava em algumas partes do seu corpo para ver se a textura era familiar. Por fim, ela se ergueu mais uma vez, frente a frente do ser estranho que não conhecia, e fitou seus olhos verdes e brilhantes nos olhos escuros do lenhador. Parecia ler a alma dele. Ficou assim por alguns instantes, até que fez uma expressão de tristeza, como se houvesse encontrado algo lá dentro. Algo difícil de entender, e mais que difícil, algo não tão belo quanto a forma física daquele homem. Levou sua mão ao rosto do lenhador e disse:
- Eu entendo porque está aqui. A grande Árvore nunca deixa ninguém que não pertence a esse lugar, entrar. É preciso ter um desespero profundo no coração para que alguém seja convidado.
- Grande Árvore...? Isso! Eu estava encostado numa grande árvore quando de repente vim parar aqui nesse... hã... o que exatamente é esse lugar? E por que estou aqui? Eu não sinto que meu coração esteja desesperado.
Ela sorriu graciosamente, afinal, aquele homem estava falando com ela, e isso era interessante demais para ela.
- Esse é o lugar onde a natureza nasce. É o berço dos rios, lagos, das flores, animais, de tudo o que vive, seja no ar, na terra, no mar... só não é o berço dos homens. Esses não podem entrar aqui... não podiam, até hoje.
A voz da fada era como o sussurro do vento misturado ao som de águas calmas que faziam o coração do lenhador bater aceleradamente na medida em que sentia um abraço na alma. Sentiu-se seduzido por ela e por um impulso tentou arrancar um beijo dela que se esquivou em desespero como se estivesse fugindo de uma flecha prestes a atravessar seu peito. Com suas asas batendo e o corpo suspenso no ar, ela olhou com terror para ele e disse:
- Criatura alguma ousou juntar os seus lábios com os meus! Isso seria uma maldição para mim!
- Desculpe... eu... eu só queria um beijo seu.
- No dia em que alguém me beijar, eu perco minhas asas e com elas se vai a magia que me permite levar flores para os jardins.
- Então você não pode...
- Amar?
- Não era bem isso que ia dizer, mas...
- Eu não acredito mais nisso. Acreditar, poderia me salvar, mas eu não posso mais crer no amor. Eu apenas amo minhas flores.
Parecia que agora, diante de todas as diferenças que o cercavam, eles tinham algo em comum, e a Grande Árvore sabia bem disso.
- Acreditar poderia te salvar? O que isso quer dizer?
- Nenhuma criatura poderá me beijar sem que eu perca as minhas asas, mas no dia que eu encontrar o amor e partir de mim o beijo, eu não perco minha magia. Mas seria um risco para mim fazer isso, pois se eu não tiver a certeza de que há amor verdadeiro, eu perco tudo se fizer a escolha errada. Como eu não sei como ter certeza, eu prefiro não acreditar que isso seja possível. De qualquer forma, você está aqui por alguma razão... Deixe-me mostrar tudo.
Ela pegou-o em sua mão e o levou voando para todas as direções, todos os cantos encantados daquele lugar. Lhe mostrou lá de cima as criaturas bailando na grande festa que acontecia lá embaixo, tudo impresso com cores, brilhos e muita alegria. Por um instante, aquele robusto lenhador sorriu timidamente. Ela aterrissou no meio das criaturas e voltou a dançar como fazia antes, mas agora com o lenhador ao seu lado. Ele estava tão encantado por ela, pelo som dos seus passos e o brilho nos olhos; pelas risadas soltas a cada dancinha engraçada que outra criatura fazia, que passou a se sentir atormentado por isso. Seria difícil demais viver ali ao lado dela; ele que estava acostumado a viver com tantas mulheres o cercando e tendo-as a qualquer hora e momento. Essa criatura era diferente. Ele a queria, mas não podia tê-la e seria um tormento ter que lidar com isso. Decidiu então, não ficar. Partiu com o coração partido, mas acreditava que era o certo a se fazer e que o melhor era continuar não acreditando no amor. Voltar para aquela vida vazia que antes nem o incomodava por já ter se tornado algo crônico. Mas pobre lenhador! Sua vida teria mudado desde um dia em que tinha entrado naquela grande árvore. Passou seus dias como um louco que não conseguia mais viver e por essa razão, decidiu voltar. Tentou por vários meses, mas não conseguia. Todos os dias saía de casa em direção a Grande Árvore e ficava por horas encostado nela a espera de poder retornar para a fada, mas sem sucesso retornava para casa.
Um dia ele não voltou. Ninguém sabia ao certo o que havia acontecido com aquele homem. Alguns diziam que tinha ficado louco e se perdido na floresta; outros que tinha fugido, e os mais trágicos diziam que tinha morrido, mas foi no dia do seu desaparecimento, que os jardins de todos ficaram repletos de flores douradas. As mais lindas flores que alguém já poderia ter visto. Ninguém entendeu e nem se quer pensou que aquelas flores poderiam estar contando a história da redenção de duas criaturas que não acreditavam no amor.
SHARE:

47 comentários

  1. Wow, this looks amazing!!
    Happy Easter ♥
    Hugs!!
    LIANA LAURIE

    ResponderExcluir
  2. Olá, Hozana.
    Que texto criativo e lindo. Eu amei e fiquei aqui torcendo para um final feliz hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil,
      Obrigada! Bom ter você aqui de volta.
      Beijos! ♡

      Excluir
  3. Já imaginei esse conto em um livro ilustrado e lindo! :)
    Tenta publicá-lo!!!! :D

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernanda!
      Tô começando a escrever um livro de contos. Tá bem no comecinho mesmo. Hahaha
      Obrigada pela sua sugestão!!
      Beijos!

      Excluir
  4. Oi Hozana, tudo bem?
    Que conto bonito! Você tem muita criatividade, parabéns.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Priih! Tudo bem comigo, obrigada!!
      Que bom que gostou!
      Beijos!!

      Excluir
  5. Oie Hozana =)

    Que conto lindo e criativo! Conforme fui lendo me vi torcendo por uma final feliz.

    Parabéns!

    Beijos e uma linda semana para você!;***
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também amo finais felizes!
      Vou te confessar um coisa: esse conto quase que tinha um final trágico (hahaha), mas mudei de idéia.
      Obrigada por sua visita e seu comentário! ♡
      Tenha uma ótima semana também!

      Excluir
  6. Que legal, parece até uma fábula de livros sobre contos de fadas. Você escreve muito bem, parabéns!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo Hozana. A premissa da história poderia virar um livro de fantasia.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥
    Canal no Youtube >> Me ajude a chegar em 1K inscritos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Leslie! Vc sempre apoiando aqui. Obrigada por estar aqui sempre.
      Beijos!

      Excluir
  8. Sabe quando a gente começa a ler um texto e de repente vai se perdendo com aquela escrita, se imaginando nela, e não quer que ela tenha fim? Foi o que senti lendo seu texto!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  9. Que texto maravilhoso. eu amo a sua escrita e você deveria escrever um livro com seus contos
    beijos
    lolamantovani.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Ai que texto mais lindo, estou apaixonada. Amei
    Charme-se

    ResponderExcluir
  11. Adorei essa história. Bem criativa.
    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  12. Que conto maravilhoso! Amei.
    Beijoos. ❤️

    www.lewestinblog.com

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Que história linda. Eu amo fadas, então fiquei super torcendo por um final feliz tb.
    Eu quero uma Grande Árvore por aqui também haha

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  14. Oie, td bem?
    Que conto LINDO! Fiquei emocionada <3
    Beijos
    www.somosvisiveiseinfinitos.com.br

    ResponderExcluir
  15. Nossa que texto mais lindo! não tenho nem palavras!
    beijos Nia
    heycheirosas.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi
    ótimo texto, lindo como sempre.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Que conto mais fofo. Consegui visualizar tudo mentalmente.

    https://naoseavexe.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Belo texto e até me identifico em alguns trechos... "Como eu não sei como ter certeza, eu prefiro não acreditar que isso seja possível."

    Bonito!

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe você não encontre alguém como esse lenhador né?
      Beijos!

      Excluir
  19. Que bonito esse conto Hozana! Imaginei até uma animação bem linda baseada nele, seria incrível! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Camila!
      Também queria uma animação (ou ao menos uma ilustração) desse texto. :(
      Beijos!!

      Excluir
  20. Que lindo e que mágicoooo!
    Adorei!
    <3
    Arrasou!

    Beijooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita e por seu comentário!
Leio e respondo a todos com muito carinho.
Pode esperar que eu vou fazer uma visita a você logo mais para retribuir.
Beijos no coração ♡
Volte voando!

© Borboletra